• Compartilhar em Google+

Existem muitos fatores que influenciam o valor da taxa que um condomínio cobra de seus moradores todo mês. O custo varia se um prédio tem garagem no subsolo, portaria 24 horas e academia, por exemplo, ou opções de lazer, como piscina aquecida e salão de festas. Isso sem contar os impostos municipais e as reformas das áreas comuns do condomínio, que também aumentam a taxa.

Para permitir uma análise dos custos de condomínio, a Properati fez um levantamento do preço médio cobrado pelos prédios em seis das maiores cidades do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba. Os dados utilizados são referentes aos anúncios de imóveis feitos no portal da Properati.

Em São Paulo, que tem mais de 384 mil imóveis anunciados, o valor médio geral da taxa de condomínio é o maior entre as seis cidade, com valor de R$ 1.034. Em seguida, está a cidade do Rio de Janeiro, com R$ 911. Logo abaixo, temos Campinas e Porto Alegre, com R$ 642 e R$ 623, respectivamente. E, finalmente, as duas cidades com menor taxa de condomínio da pesquisa são Curitiba (R$ 549) e Belo Horizonte (R$ 519). Confira a seguir os dados do levantamento:

Para deixar a comparação entre as cidades mais precisa, o estudo da Properati também leva em consideração a metragem média dos imóveis localizados em cada uma das seis cidades. Em São Paulo, por exemplo, a área média dos mais de 324 mil imóveis anunciados na plataforma da Properati é de 113,1 metros quadrados. A cidade com a maior metragem é Belo Horizonte, com 124,24 m², enquanto, na outra ponta, está Campinas, com média de 85,95 m². Confira abaixo a média em cada cidade.

Por conta dessa variação, há também na pesquisa o cálculo da taxa de condomínio por metro quadrado do imóvel. Para mostrar esses resultados, a Properati calculou quanto seria o valor da taxa de um condomínio de um apartamento de 80 m² em cada uma das seis cidades. Nesse caso, São Paulo ainda teria o condomínio mais caro da pesquisa, mas com o valor de R$ 792. O segundo lugar também seria ainda do Rio de Janeiro, com R$ 749. Campinas e Porto viriam a seguir, com R$ 624 e R$ 517, respectivamente. E, no fim da lista, Curitiba, com R$ 510, e Belo Horizonte, com R$ 383.

Evolução da média anual

O valor médio das taxas de condomínio têm subido ao longo dos anos em todas as cidades avaliadas no estudo. Em 2015, o morador de um imóvel de 80 m² em São Paulo, pagava, em média,  R$ 708 de condomínio. Em 2017, esse valor saltou para R$ 768. Confira abaixo a média anual em cada uma das seis cidades:

Piscinas

Um aspecto interessante que a pesquisa ressalta é a relação entre os custos de manutenção de uma piscina no valor das taxas de condomínio. Em todas as cidades, com mais ou menos intensidade, sempre que um prédio conta com uma piscina ele tende a ter uma taxa de condomínio mais cara, em comparação aos que não têm.

A diferença entre os preços mais acentuada foi encontrada em Belo Horizonte. Lá, a média da taxa de condomínio para um apartamento de 80m² com piscina é de R$ 550. Já a média para um prédio na mesma cidade, mas sem piscina, é de R$ 366. Confira abaixo os valores encontrados nas outras cidade.