14 de setembro de 2015

As mensagens dos contatos para imobiliárias e construtoras

O que falamos em uma mensagem à imobiliária? Uma análise sobre mais de 100 mil contatos respondem esta pergunta.

Analisamos mais de 100 mil mensagens que nossos usuários enviaram às imobiliárias e construtoras ao longo deste ano no Brasil, Chile, Argentina e México. Vendo as palavras mais utilizadas e como elas remontam “frases” descobrimos que os brasileiros são mais diretos, os chilenos mais educados e os argentinos mais preocupados com despesas.

Faremos esta análise em duas partes. A primeira mais fundamentada em dados, revelando curiosidades e insights sobre as palavras mais utilizadas em cada país. E na segunda parte a visualização de como se constroem as frases mais comuns através de uma ramificação de palavras por posição e incidência.

 

Contagem de palavras

A contagem de palavras é similar entre os países. Para os avaliados, argentinos falam mais e mexicanos falam menos. Nós, brasileiros, ficamos na terceira posição.

 

 

Cordialidade antes de tudo

Este é o top 10 de palavras mais utilizadas por cada país analisado. Agradecimentos como “gracias” (obrigado) e saudações como “hola” (olá) são mais comuns na Argentina e no Chile, mas não apenas pela palavra em si – em questão de idioma, mas pelo gesto. No Brasil um simples “olá” aparece na 5ª posição – o que revela que somos diretos ao solicitar informações pela internet.

Outro ponto comum entre os países, mas que no Brasil figura como primeira colocada, é o uso do futuro do pretérito com verbos que expressam desejo, como “gostar” e “querer“. Utilizando “gostaria” ao iniciar a frase, como é comum no Brasil, expressamos ao mesmo tempo cautela e alguma cortesia. O seu correspondente em espanhol é o “quisiera“.

 

Verificar o preço do imóvel

Seguindo o top 10, vemos que na Argentina existe uma preocupação por perguntar sobre questões financeiras, como “expensas” (despesa) e “precio” (preço) – certamente relacionado à crise econômica em que o país está. Ou talvez que seja um dado que falte ou que necessite ser verificado. No Brasil solicitar preço é menos comum, talvez por ser uma prática já comum no mercado informar o valor do imóvel e, também, por não existir oscilação tão brusca de preço.

 

Dúvidas comuns para lançamentos

Brasil e Argentina compactuam nas dúvidas sobre condições de pagamento e financiamento para empreendimentos. No Chile pode ser que isto esteja mais claro, pois não é uma dúvida frequente. O que é comum entre os três países é a preocupação sobre a entrega do lançamento.

Uma curiosidade é que os chilenos costumam perguntar sobre os banheiros dos empreendimentos. São os únicos que perguntam por isto.

 

O fluxo de como se constroem as mensagens

E a segunda parte são as “árvores” de mensagens. Elas mostram, por incidência, como se constroem as mensagens que as pessoas enviam às construtoras e imobiliárias.

Funciona assim. Uma frase iniciada por “gostaria de…” pode se desenrolar para “saber” ou “mais” e seguem o fluxo em sua ramificação.

Veja como ficaram os fluxos para Brasil, Chile e Argentina.

Brasil

Chile

Argentina

Escreva um comentário

Siga-nos por e-mail!

Informe o seu e-mail para receber uma notificação sempre que publicarmos um novo post!

PUBLIQUE ESTE TEXTO EM SEU SITE!

A publicação desta nota está liberada para qualquer meio de comunicação. Se você tiver interesse em publicar um dos nossos textos em seu site, por favor, não deixe de nos comunicar em prensa@properati.com.

Iremos te auxiliar com os códigos HTML que podem ser usados para inserir nossos gráficos interativos no seu site!